#Resenha: Dominic

Olá Pessoal. Resenha nova. Vamos que vamos.

Depois que um acidente de carro matou seus pais quando
ela era criança, Bronagh Murphy escolheu se afastar das pessoas em um esforço
para se proteger da dor futura. Se ela não fizer amizade com as pessoas, falar
com elas ou reconhecê-las de alguma forma, elas a deixam sozinha como ela quer.
Quando Dominic Slater entra em sua vida, ignorá-lo é tudo o que ela tem que
fazer para chamar sua atenção. Dominic é acostumado à atenção, e quando ele e
seus irmãos, se mudam para Dublin, Irlanda, para cuidar dos negócios da
família, ele não ganha nada, exceto atenção. Atenção de todos, exceto da linda
morena com uma língua afiada. Dominic quer Bronagh e a única maneira que ele
pode chegar até ela, é arrastando-a do canto da caixa que ela se aprisionou da
única maneira que ele sabe… pela força. Dominic a quer, e o que Dominic quer,
Dominic consegue.

AVISO:  Se você não gosta de um
protagonista que é um babaca, possessivo, Dominic NÃO é
pra você. Se você não gosta de uma protagonista que é uma vadia teimosa, Dominic não
é para você. Se você não gosta de drama e personagens de temperamento
ruim, Dominic não é para você. Mais importante, se você não
gosta de personagens que XINGAM PRA CARAMBA e dizem EXATAMENTE o
que sentem e pesam então Dominic REALMENTE NÃO é
para você.
Normalmente eu não sei
começar nenhuma das minhas resenhas e com essa isso também não está sendo
diferente, tirando pelo seguinte fato: Como
falar bem de um livro que você AMOU, quando sabe que ele tem muitas falhas?
Isso realmente não é
fácil, mas vou explicar da melhor forma possível, mas quem saiba vocês consigam
entender o que senti.

Bronagh não tem amigos,
não que as pessoas não a suportem ou que seja fresca, longe disso, na verdade
essa foi uma decisão absolutamente dela e tudo baseado em um medo, afinal, se
você não se apegar as pessoas, quando elas se forem não haverá dor. Essa foi a
forma que Bree começou a pensar a partir do momento que perdeu seus pais e
passou a ser criada por sua irmã mais velha.
Dominic
e Damien Slater são irmãos gêmeos
americanos e os novos moradores da cidade de Dublin (Irlanda) e para o azar de Bree,
o inferno dela. Dominic logo se vê apaixonado por nossa protagonista, a questão
é que ele a ama de uma forma tortamente errada – se é que existe uma forma de
amar certo – e isso acaba gerando muitas brigas e confusões, algo normal e
rotineiro neste livro.
Okay, sei que deveria falar mais sobre o livro, mas não
tem como, saca? Eu preciso falar a minha opinião, porque acho que dessa forma
conheceram mais sobre o livro do que se eu narrar a história.
Falhas. Defeitos.
Algo Assim.
Bem, o Dominic é o estilo de personagens possessivo e que
se acha dono da pessoa – vocês perceberam isso logo de cara.
Todos os personagens falam palavrões (se querem
enriquecer seu vocabulário de palavras chulas, é um bom lugar para isso).
Os diálogos são resolvidos com apenas um tratamento
eficaz: brigas e tapas.
O Dominic é uma versão piorada, porém mais carismático,
simpático e arrogante do que o Travis Maddox de Belo Desastre.
Tantos defeitos. Existe qualidades?
Sim, por mais
incrível que isso possa parecer. Eu terminei de ler esse livro duas horas da manhã,
quando havia começado as 22:00 – por aí – e quando finalizei a leitura estava
viciada nos personagens e na história deles. Toda trama tem uma reviravolta em
cada página, então simplesmente não tem como ficar entediada na leitura. O
Dominic é um personagem que realmente eu não consigo entender, ele é protetor,
chato, mandão, carinhoso, perfeito e imperfeito, ele consegue ser tantas coisas
que quando você pensa em ficar brava com as atitudes dele, logo você está
sorrindo igual uma boba por algo mega legal que ele fez sabe? É claro que ele
não é o único personagem da trama, mas em minha opinião é justamente pelo fato
dele estar no livro – e ser exatamente do jeito que é – que eu gostei tanto da
história.
Sei que meio
que me perdi para resenhar esse livro – as vezes o que escrevo fica tão confuso
para mim, imagina então para vocês? -, mas eu tenho apenas que dizer que esse
livro vale a pena ser lido, claro que vocês podem não gostar, mas também pode
acontecer o contrário e pode ter absoluta certeza de que se gostarem ao menos
um pouquinho do livro ficará logo viciada e só conseguirá acabar quando
terminar de ler todos.
Beijinhos da tia Aylla. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *